Pesquisar este blog

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Do conceitual.

Da leitura de um sertanejo, prevejo...
Rumos de curta distância, ganância.
Da pura arte de sentir, aqui...

Vejo, então, ódio.
Surto, .
Sim, depois.

Encaro o pavor, de ver e amar.
Amo até...não mais aguentar.
Recomeço e não canso de tentar.
As horas que vou gastar.
Os apertos que vou passar.
Ruas que vou atravessar.
Abraços que irei ganhar.
Piadas de se gargalhar.
Rir até se cansar.
Sentar.
Voltar a tentar.
Recomeçar.

Pedaços de momentos inteiros.
Uma vida, em várias.
Várias, em uma.
No fim, nenhuma...

Não há fim.
É sempre hora de recomeçar.
Se esforçar.
Se cansar.
Ralar.

Amo a vida.
A sua também.
Amo você.
Amém.

Em tempo: Não tente entender, mas é assim que minha cabeça funciona. Isto é, traduzido em palavras conhecidas, conceituadas.
Idéias sofrem para se encaixar em conceitos.
Palavras não foram inventadas para traduzir idéias.
Idéias são maiores.
Não cabem neste envelope medíocre chamado vocabulário.
Às vezes sofro com isso.